Session Report: 7th Sea 2a edição





Este fds testamos o 7th Sea 2nd ed na mesa. Não sei nem porque eu fico surpreso, mas a aventura deu em cagada. O problema é que temos um jogador que é revoltado contra autoridade kkk. E toda vez que ele é forçado a jogar dentro de algum tipo de restrição, por exemplo a regra de corruption do 7th Sea, ele se torna um maníaco homicida/suicida. Vamos chama-lo de cidadão X.

Resumo do resumo:

Dia 1

Observação: esta aventura foi baseada em uma aventura do livro Vilain' Kit da 1a edição.
O grupo estava em um navio mercante trabalhando como escolta quando ele foi atacado por um navio pirata. Eles lutaram bravamente, mas os piratas venceram e tocaram fogo no navio mercante, amarraram o capitão e jogaram no mar.

Enquanto outro PJ mergulhava para salvar o capitão, o cidadão X pulava para o barco pirata para tirar satisfação com o capitão pirata, mas ele tomou um cacete e foi jogado no mar também. Eles salvaram um bote e remaram para a costa de Montaigne junto com o capitão, chegando à cidade de Muguet onde conseguiram cuidados médicos e ajeitaram um lugar para dormir.

Nesse meio tempo eles descobriram que o capitão tinha uma treta com o pirata, por causa de um mapa do tesouro. Ocorre que o mapa sozinho não tinha muito valor, porque o irmão do capitão era o único que sabia das coordenadas necessárias. Este mesmo irmão que estava em uma ilha prisão cumprindo pena e agora o pirata provavelmente iria atrás dele.

O capitão então contrata os PJs para ajuda-lo a resgatar seu irmão e desenterrar o tesouro. Sidequests à parte, o capitão marca um encontro à meia noite em um farol abandonado com membros da sua sociedade secreta Brotherhood of the Coast para arrumar dinheiro emprestado e um barco para sair da cidade. Porém, na cidade está uma equipe de inquisidores liderados pelo famoso inquisidor Francisco Loyola e durante o encontro no farol um membro da inquisição estava espionando a conversa. O cidadão X vai lá, capitura, amarra e mata o sujeito (e rouba uma cruz de prata).
 
O capitão entra em pânico e acaba confessando que ele obteve este mapa justamente matando um inquisidor e que a inquisição estava atrás dele. Até a manhã seguinte a cidade vira um circo. O inquisidor determina um bloqueio no porto e começa a passar o pente fino na cidade. O grupo foge escondido em uma carroça para o norte. 

Dia 2

Os 3 chegam à Crieux, outra cidade portuária e tentam sair dali de navio, mas nenhum navio parte em menos de 5 dias. Sentindo que a inquisição está fungando em seus cangotes eles novamente decidem partir de carroça. No porto eles conhecem outros dois PJs que se juntam ao grupo: um mercenário e um Sorcier.

A viagem vai tranquila até que eles trombam com um encontro MENOR. Uma barreira de checagem na estrada com 6 soldados e 2 membros da inquisição e uma fila de pessoas. Eles começam a se desesperar. Os dois mais novos membros do grupo saltam da carroça e decidem ir à pé. O cidadão X resolve se passar por inquisidor e saca a cruz de prata e exige passagem.

Bastidores: neste meio tempo quando encontraram o corpo do sujeito morto no farol e SEM sua cruz, o inquisidor enviou mensagem para outras cidades dizendo para todos prestarem a atenção a qualquer pessoa tentando se passar por inquisidor. 

Sabendo disso o soldado da inquisição começa a fazer perguntas em latim para o cidadão X que saca a pistola e começa a atirar. O povo da fila sai correndo, os soldados vem pra cima e eles acabam matando todo mundo na frente de dezenas de testemunhas. O cidadão X surta abandona o PJ, todo mundo começa rir e ele vai embora do jogo sem jogar um tabuleirinho que fechou o domingo.

E foi assim a curta campanha de 7th Sea. Eu realmente acho que alguns dos meus jogadores servem apenas para jogar Hack'n Slash, coisa que eu não curto muito. Qualquer tipo de desafio mental ou social para minha mesa é demais e tem uma chance de 90% de virar porrada.




Comentários

  1. Hehehehe Jogador surtado.

    Joguei muito o 7th Sea original. Tivemos uma campanha com mais de 60 sessões. Viajaram por todo o continente e jogamos praticamente todas as aventuras oficiais publicadas. Sistema bugado pra burro, mas ainda assim proporcionou muita diversão.

    Tenho a 2a edição, mas está na fila de leitura. O que achou do sistema?

    ResponderExcluir
  2. Então luciano, o sistema é muito bacana e bem desenhado, mas é totalmente fora do padrão. O suficiente para estranhar totalmente quem joga outras coisas. Por exemplo não há lista de armas e equipamentos, é tudo narrativo do tipo eu sou um pirata então obviamente tenho uma pistola, um sabre, uma corda ou uma pá se eu precisar. Nem dinheiro tem. Usa-se pontos de riqueza no estilo The One Ring. Outra coisa que não tem é lista de inimigos. Tem um pequeno capítulo explicando como criar inimigos que por sinal tem apenas 1 ou 2 estatísticas dependendo do tipo (brute squad ou villain).
    O sistema é bem diferente tb. Você rola os dados, conta os sucessos (somas de dados que sejam igual ou superiores a 10) e cada sucesso (raise) é uma ação que você pode fazer em uma cena, como um ataque por exemplo. Quando acabam seus raises vc não pode mais agir até o fim da cena em cenas dramáticas. Nas cenas de ação você continua rolando os dados após todo mundo ficar sem raise.
    Apesar da estranheza toda o negócio funciona bem, mas no sentido narrativista do eixo GNS. Sob o aspecto gamista é mais difícil de se acostumar, mas flue bem. Foram apenas 2 sessões e portanto preciso de mais jogo para saber ao certo.

    ResponderExcluir
  3. Notei a guinada narrativista do jogo. Isso me deu um certo receio, pois estes jogos podem ser problemáticos com jogadores de sistemas tradicionais e que tenham um perfil mais reativo. É aquele cara que senta e espera que você faça todo o trabalho criativo, quase como alguém que se acomoda no assento de um cinema pra ver um filme. Esse tipo de jogador é normalmente metade do grupo jogo, baseando-me aqui no meu tempo de estrada.

    ResponderExcluir
  4. Nesse caso não tem muito trabalho criativo para o jogador, mas eh dificil de acostumar que uma ação não corresponde à uma jogada de dados. No geral flui muito bem. Quero continuar com ele por um tempo

    ResponderExcluir
  5. Legal. Sendo assim tem mais chance do pessoal se agradar por aqui. Eu gosto muito do 7th Sea, mas é um jogo que praticamente esgotei. Só L5R foi mais jogado que ele. Comprei mais pela nostalgia e por gostar do trabalho do John Wick, mas devo dar uma nova chance ao jogo futuramente.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Sistemas de RPG parte 1: Dados

Sistemas de RPG parte 3 - Evolução dos personagens

Sala de jogos pronta e Mesa de jogos