Paradoxos do Tempo 1: Ontologia


Como estou completamente sem tempo e tenho este tema engatilhado há muito tempo vou escrevê-lo em uma série de posts menores. Sempre gostei de Time Travel Fiction e um dos aspectos mais interessantes são os paradoxos derivados destas deslocações temporais. Vou mostrar o primeiro aqui. Trata-se do paradoxo ontológico:

Este paradoxo é o que permite o surgimentos de Quimeras que são pessoas ou objetos que não possuem uma origem e aparentemente sempre existiram. Ele ocorre quando um objeto é enviado para o passado e recuperado por uma pessoa que no futuro o devolve para a posição original.

Considere o seguinte exemplo: digamos que eu encontre o relógio de estimação do meu avô escondido em uma gaveta. Carregando ele eu viajo para o passado para testemunhar a segunda guerra mundial e em um momento eu o perco em uma trincheira. Horas depois meu avô está combatendo na mesma trincheira quando encontra o relógio e ele se torna de estimação. Ele o guarda pela vida toda até se esquecer dele em uma gaveta para ser encontrado por mim antes da minha viagem ao passado.

Quando este relógio foi fabricado? Um dia ele deixará de existir? Este tipo de objeto fica preso em um loop de tempo por toda a eternidade.


No filme Exterminador do Futuro vemos algo parecido quando as máquinas enviam um exterminador T800 para o passado para matar Sara Connor antes do seu filho nascer, o qual será o líder da resistência humana no futuro. Ocorre que quando o T800 é destruído, algumas peças são recuperadas por cientistas que utilizam a tecnologia para criar a Skynet e os exterminadores que nunca teriam existido se um T800 não tivesse sido enviado para o passado em primeiro lugar!

O próprio John Connor, filho de Sara, é uma quimera pois no futuro ele envia seu amigo Kyle Reese para proteger sua mãe no passado, só que Kyle muito espertinho acaba dando um trato em Sara e imaginem só, engravidando ela de John. Uma dupla ontologia, pois se ele mesmo não tivesse enviado seu amigo (e pai) para o passado, ele mesmo não existiria. E a Skynet que estava tão preocupada com o nascimento de John a ponto de mandar o T800 para o passado matar Sara, nem teria existido também o que é um paradoxo, pois ela se criou a si mesma e por consequência acabou obrigando john a se criar também. Simples né?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sistemas de RPG parte 1: Dados

Sistemas de RPG parte 3 - Evolução dos personagens

Sala de jogos pronta e Mesa de jogos